segunda-feira, 21 de novembro de 2011

UNIVERSO DA UNIVERSIDADE - PARTE 1

Estabelecer uma linha de pensamento, um caminho, que justifique o que vem acontecendo na maior universidade da américa latina (palavras do nosso governador do ESTADO de SP - PSDB) torna-se um pouco difícil.
Defender um lado - governo versus estudantes -, primeiramente, nos leva a uma análise de toda situação. Mas esta análise não pode, nem deve ficar restrita apenas ao que está acontecendo hoje!
VEJAMOS algumas; Governo: A universidade há muito tempo vem sofrendo com a falta de policiamente, patrulhas, monitoramento, equipe médica emergencial, etc. Exemplo, o estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, foi assassinado na noite de quarta-feira (18 de maio de 2011) no estacionamento da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade) da USP ou A morte de Edison Tsung Chi Hsuen, em 1999, na piscina da Atlética da USP (Universidade de São Paulo), durante um trote. E isso  não fica restrito apenas a USP, e sim, a muitas outras universidades e também escolas públicas. 
Fica evidente o descaso com sistema de segurança pública no Estado de São Paulo, pois a violência está crescendo cada vez mais. O combate ao crime organizado deve ser intensificado, o código penal brasileiro deve passar por uma reforma para que não haja brechas, caminhos que livrem estes marginais.
Os Estudantes: Nada justifica a posição, a atitude tomada no Campus da USP. São estudantes, deveriam valer-se de meios intelectuais de reclamar, manifestar suas vontades, desejos, anseios, etc. Realmente toda esta situação vem provar o quão nossos jovens estão sem um caminho limpo, humano, político de se fazer política. Isso mesmo, a política defendia - se podemos chamar assim - está longe de ser coerente a estudantes. Pessoas comprometidas com a razão, luta pelos direitos, capazes de transformar nosso mundo, assim como fizeram nas Diretas Já, Impeachment de Collor, etc.

No entanto, o curioso, saber que nosso governador não sabe o significado de DEMOCRACIA e RESPEITO AO DINHEIRO PÚBLICO. Vemos demasiadamente em noticiários o pouco caso que ele ( e o PSDB) sempre fez com o ensino público, a saúde, a segurança (desde os tempos de Mário Covas -PSDB), sem contar os escândalos atrás de escândalos.